Atendendo os objetivos financeiros de curto, médio e longo prazo

Muitas pessoas ao chegar o dia 10 de cada mês, já gastaram praticamente todo o salário com as contas do mês passado. Se isso não acontece com você, provavelmente você conhece várias pessoas assim.

Existe uma crença dominante para as pessoas com visão de curto prazo que é: ” A vida é uma só, tenho que viver bem” ou ” Não sei se estarei viva(o) amanhã, vou viver intensamente o hoje”. Concordamos que é importante viver bem o hoje e curtir alguns prazeres no presente, até porque a maioria de nós tem convivido com altos níveis de estresse e ansiedade e esses prazeres são uma forma de contrabalancear e alcançar o equilíbrio interno.

Por outro lado, quando nosso foco está somente no agora, qualquer contratempo gera um desequilíbrio financeiro e consequentemente dívidas.

Imagine que você irá viver até os 80 anos.

Se seu foco é somente no agora, quem manterá você no futuro, quando sua energia para fazer dinheiro não será mais a mesma e as oportunidades serão escassas? Irá depender de um filho? Do INSS ( Lembre-se da tradução: Isso Nunca Será Suficiente)?

A responsabilidade sobre o seu futuro é somente de uma pessoa: você.

Quando não desenvolvemos nossa visão de médio e longo prazo, para bens e serviços mais caros, parcelamos pagando juros e muitas vezes temos que abrir mão daquele bem por não ter como honrarmos com aquele compromisso.

A visão de longo e médio prazo nos permite a voos mais altos: abrir um negócio, comprar uma casa, um carro, alcançar a independência financeira, ou seja lá o que for, mas sem interferir no presente fazendo apenas alguns ajustes. Para isso é preciso disciplina e abrir mão de algo hoje.

Pense e reflita: como posso viver bem hoje e construir para que o futuro seja tão bom ou melhor que o presente?

Qual o primeiro movimento que você decide fazer?

Deixa nos comentários que queremos muito saber.

Abraços,

Dalton e Marcelo

Superando o desafio de organizar minhas finanças

Superando o desafio de organizar minhas finanças

A cada 100 pessoas que perguntamos como administra suas finanças, 95 nos olham com cara de paisagem. E você, seu perguntasse agora, como administra suas finanças, o que diria?

Muitos não tiram sequer o extrato de suas contas no fim do mês e nem olham a fatura do cartão de crédito.

Qual o medo que está por trás disso? Quais crenças alimentam esse comportamento?

Outras pessoas não organizam suas finanças por acharem difícil, não terem um método, acharem enfadonho, etc.

Já parou para pensar quantas viagens poderia ter realizado, quantos objetos de desejos poderia ter comprado, quantos passeios ou experiências a mais poderia ter realizado, se tivesse uma simples organização financeira?

Já imaginou o que teria dado para fazer nos últimos 10, 20, 30 anos se tivesse economizado, digamos, o valor de um cafezinho por dia?

 

A falta de organização financeira nos leva a pagar contas atrasadas com multa, a pagar juros no cheque especial, a pagar o mínimo a fatura do cartão de crédito, ou seja, o que chamamos de jogar dinheiro fora pagando juros estratosféricos para as instituições financeiras. Fora cobranças indevidas que são realizadas na sua conta e você nem sabe.

Para se organizar financeiramente, primeiro você deve ter um motivo.

Qual o seu motivo? Dar o exemplo para os filhos? Fazer uma viagem dos sonhos? Comprar uma casa?

Se o seu motivo for forte o suficiente, você encontrará os meios de fazer um planejamento (que não precisa ser complexo) e para descobrir e reparar o vazamento por onde seu dinheiro sai, sem lhe trazer prazer ou atender seus objetivos.

Qual vai ser seu primeiro passo?

 

Deixe aqui nos comentários que queremos saber 😊

Abraços,

Dalton e Marcelo

Live 27-04-2020 com o Vereador Dinho Meriti

Live 27-04-2020 com o Vereador Dinho Meriti. Várias dicas de como nos organizar, financeiramente, neste período de PANDEMIA. Ele também orientações de como sair do vermelho quando esta quarentena acabar! https://metodotdl.com.br

Workshop – Mentalidade Financeira

Como reconhecer e modificar nosso modelo mental financeiro? Foi o que vimos no workshop no espaço afluentes.

Aprendemos a olhar para os nossos padrões com relação ao dinheiro para que possamos criar hábitos financeiros saudáveis.

Por que dinheiro é importante para você?

“Se sua vida fosse a resposta para uma questão financeira, qual seria a pergunta? ”

Dalton Ferreira & Marcelo Felippe

Nos atendimentos de coaching identificamos um determinado grupo que se afasta inconscientemente do dinheiro, atraindo ou criando situações em que o dinheiro gerado rapidamente é consumido, seja por problemas no automóvel, algum eletrodoméstico ou pelo consumo não planejado.

Por outro lado, há um determinado grupo que, por mais que adquira dinheiro, sempre sente internamente um sentimento de escassez, como se não fosse suficiente e um medo que possa vir a perder, sempre acumulando e não permitindo o fluxo de energia a ser liberado.

Avalie: como é sua relação com o dinheiro? Qual o significado que você atribui a ele?

Dinheiro não é bom nem mau, é um meio de troca. O dinheiro potencializa o que está dentro de você. Caso você seja uma pessoa generosa, você irá ajudar mais pessoas e pensará na sociedade como um todo, como é o caso do jogador Cafu, que prosperou financeiramente como jogador de futebol e retribuiu a sociedade através de sua fundação levando oportunidades e desenvolvimento a menores carentes, combatendo as desigualdades sociais e oferecendo cursos profissionalizantes para adultos. Caso você seja uma pessoa egoísta e de má índole, esse comportamento será expandido em suas ações.

Você está preparado para ter riqueza? Quais ônus e bônus o dinheiro irá atrair para você?

Em um momento da minha vida, quando estava fazendo minha transição de carreira para esta área de treinamento e coaching, as coisas não estavam andando. Tinha tudo planejado, tudo organizado, várias coisas engatilhadas e quase nada saia. Um dia, em uma conversa sobre o tema com uma desses seres sábios que cruzam nosso caminho, perguntei o que estava faltando e recebi em troca uma pergunta que levei uns seis meses para entender em sua profundidade e até hoje me faço esporadicamente para avaliar se estou deixando algo passar: você está preparado para ter poder sem deixar de ser quem você é? Está preparado para ter poder com pessoas o elogiando, com muitos retornos positivos do seu trabalho sem perder sua essência e seus valores fundamentais?

Essa foi uma pergunta fundamental em minha vida. A partir deste momento, comecei a perceber crenças que tinha e uma vaidade que ainda não tinha sido transformada bem escondida dentro de mim. A partir desse momento e até hoje, é assim, quanto mais lido com as minhas fraquezas e fortaleço meus valores, mais minha vida prospera em todos os sentidos.

Agora, nessa pergunta que acabo de mencionar, troque a palavra “poder” por “dinheiro”. Talvez a resposta a essa pergunta seja também tão fundamental na sua vida como foi e continua sendo na minha.

Já reparou que o sucesso financeiro é medido se você é milionário? Será que um milhão de reais é realmente o número que irá dar o que você realmente deseja?

Será que uma outra quantia não será suficiente para atender o que você realmente quer? Seus sonhos são seus ou de outras pessoas?

Esse número, um milhão, seja em reais, dólares ou outra moeda está, no imaginário popular, pois é vendido pela sociedade como sucesso financeiro. Mas é somente um número. Quanto maior for o número, maior será o tempo e energia que você irá dedicar a essa conquista, maior será o risco. Realmente vale a pena? Quem perderá com isso? Será que sua família terá a atenção de que necessita? Quais serão seus ganhos com essa meta?

E fica a pergunta: você realmente sabe qual é o número que representará seus objetivos realizados? Será realmente importante o número ou o que importa mesmo é você garantir que terá recursos sempre para manter sua vida feliz e seus sonhos se realizando?

Queremos deixar bem claro aqui que não há problema nenhum em desejar esse número (um milhão). Ele pode estar abaixo ou acima do que realmente vai proporcionar a diferença que você almeja. O importante é você saber o porquê desse valor em si e se ele realmente é importante. Mais importante ainda é saber se tudo que está fazendo para chegar lá está alinhado com seus valores mais profundos (relacionamentos, saúde, espiritualidade, etc.).

Contamos histórias para nós mesmos todos os dias, em nosso diálogo interno, sobre riqueza, pobreza, sucesso, fracasso, dentre tantos outros conceitos relacionados. Nas experiências que passamos atribuímos um significado a elas e passamos a acreditar em algo advindo delas. O mais importante não são as experiências em si, mas sim o significado que você atribui a elas.

Depois de reconhecer as histórias que conta, responda para si mesmo as questões abaixo:

  • Quais são os seus maiores medos? O que você identifica que está por trás desses medos?
  • O que significa ser rico para você? O que isso representa no seu ser?
  • Identifique três coisas que são muito importantes para você e que é necessário dinheiro para se ter?
  • Essas três coisas são essenciais, são um desejo ou fazem parte de um sonho maior que você tem?
  • Identifique três coisas que são muito importantes para você e que não é necessário dinheiro?
  • Qual conclusão você chega?

E, finalmente, se sua vida fosse uma resposta a uma pergunta financeira, qual seria essa pergunta?

Trabalhar com dinheiro é também trabalhar com sonhos, só tenha cuidado para não focar no primeiro ao invés de focar no segundo.
Artigo baseado no livro Transformando dinheiro em liberdade

Artigo baseado no livro Transformando dinheiro em liberdade.

Live – Dalton Ferreita e Zuila Freire (08/10/2019) Parte 3 – Criança e Dinheiro. Uma parceria que funciona?

Live – Dalton Ferreira e Zuila Freire (08/10/2019) – Criança e Dinheiro. Uma parceria que funciona?